Tecnologia Ambiental

Furnas quer investir R$ 5 bi para aumentar participação eólica

Furnas quer investir R$ 5 bi para aumentar participação eólica

A Furnas Centrais Elétricas pretende aumentar em mil megawatts (MW) a participação da energia eólica (proveniente dos ventos) em sua matriz energética e para isso vai investir R$ 5 bilhões até 2022. A empresa também pretende colocar energia solar em todos os seus três parques eólicos e em algumas de suas 21 usinas hidrelétricas, inclusive a de Itumbiara, que é a maior usina hidrelétrica da subsidiária da Eletrobras, com capacidade instalada de 2.082 MW a partir de seis unidades geradoras.

As unidades eólicas funcionariam como geração completar ao Sistema Furnas, que opera, além das 21 usinas hidrelétricas, duas termelétricas, três parques eólicos, e tem mais de 29 mil quilômetros (km) de linhas de transmissão.

Possui ainda 55 subestações próprias, com capacidade de transformação de 110.721 Megavoltampére (MVA), além de 27 subestações sob o regime de parceria, totalizando 136.487 MVA de capacidade de transformação nas 82 subestações.

As unidades eólicas funcionariam como geração completar ao Sistema Furnas (Foto: Agência Brasil)

Através de sua assessoria de imprensa, Furnas admitiu que “está estudando implementar geração solar complementar em todos os seus parques eólicos e também em algumas usinas e que, em alguns casos, as medições solarimétricas (mapeamento do comportamento dos dados disponíveis na superfície da terra a partir de uma metodologia de estimativa da radiação solar para a região em estudo) já estão, inclusive, em andamento e bastante adiantadas em alguns empreendimentos, como é o caso do Parque de Itaguaçu da Bahia, atualmente em construção”.

Brasil Ventos

Na semana passada, a Brasil Ventos apresentou o projeto do Complexo Eólico de Fortim à comunidade do município cearense que dá nome ao empreendimento, localizado a 135 km da capital Fortaleza.

Subsidiária integral de Furnas, a empresa começa a implantar na região 41 aerogeradores distribuídos em cinco parques, com investimento de R$ 650 milhões e capacidade instalada de 123 megawatt (MW), energia suficiente para atender 174 mil famílias ou uma cidade de 600 mil habitantes, como Ribeirão Preto (SP) ou Aracaju (SE).

Na ocasião, o diretor-técnico da Brasil Ventos, Roberto Godinho Tavares, revelou informações do empreendimento e esclareceu dúvidas da comunidade.

“Somos uma empresa nova, que está trazendo um complexo eólico para a casa de vocês. Por isso, fizemos questão de vir apresentar o projeto pessoalmente para a comunidade. Temos o DNA de Furnas, empresa com mais de 60 anos de atuação no setor de energia. O mercado de energia eólica ainda tem muito potencial no Brasil e no mundo, daí nossa iniciativa em desenvolver esse empreendimento”, disse.

A previsão de início da operação do Complexo Eólico de Fortim é novembro de 2019. O empreendimento se juntará ao portfólio de Furnas, que colocou em operação nos últimos anos outras obras importantes, como o primeiro bipolo do Linhão de Belo Monte e as hidrelétricas de São Manoel e Santo Antonio, que juntas acrescentaram 4.300 MW de capacidade instalada ao Sistema Interligado Nacional (SIN), energia para mais de 20 milhões de brasileiros.

Fonte: Agência Brasil. Por Nielmar de Oliveira – Repórter da Agência Brasil em 02/08/2018

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *